AgroGeralAgroNegócio

Biodiversidade e Agricultura

Biodiversidade tem um significado simples, é a diversidade de seres vivos, e inclui plantas, animais, protozoários, algas, fungos, liquens, bactérias e todos os demais microrganismos

Todos esses seres vivos criam uma rede de interações uns com os outros, que é muito mais complexa do que a simples definição de biodiversidade. Tamanha interação é acompanhada por uma dependência mútua entre as espécies, tanto que por exemplo, sem o polinizador, que são animais, principalmente abelhas, não há a reprodução de muitas plantas; e sem a reprodução das plantas não há o alimento de vários animais, que muitas vezes são dispersores das sementes, e que por sua vez, sem o alimento, deixam de existir, assim como a planta e o polinizador.

O ser humano também participa dessas relações interespécies e, assim como todos os outros seres vivos, também é dependente delas. Nós utilizamos um grande número de plantas e animais em nossa alimentação, aprendemos a plantar e a colher desenvolvendo a agricultura, que depende de condições climáticas favoráveis, como umidade e temperatura. Essas condições só podem ser asseguradas quando há um equilíbrio ambiental. As áreas naturais preservadas como unidades de conservação, áreas de proteção permanente (APPs) e as reservas legais ajudam a manter os serviços ambientais prestados pelas florestas e fundamentais para o agronegócio, como a adequada distribuição temporal e espacial das chuvas, a redução de erosão, a atenuação de extremos climáticos, a preservação dos polinizadores e dispersores e o habitat necessário aos controladores de doenças agrícolas.

A biodiversidade ocupa lugar importantíssimo na economia nacional, visto que o Brasil tem hoje uma das mais importantes áreas agrícolas do mundo, indispensável para alimentar milhões de pessoas, respondendo sozinho por cerca de 23% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Atualmente, há mais 400 mil tipos de plantas que são conhecidos no mundo, além de outros milhares não catalogadas. Cerca de 150 espécies já foram, em algum momento, cultivadas em grande escala, e apenas três representam mais da metade das calorias consumidas pelos seres humanos a partir de agricultura. Só o Brasil abriga mais de 36 mil plantas, a maior diversidade do mundo. Essas espécies devem continuar a contribuir com serviços ambientais, assim como certamente serão, e algumas já são, importantes fontes de alimentos e medicamentos. A conservação da biodiversidade não é apenas uma questão de pensar no futuro, que por si só já seria justificável, é uma necessidade do presente.

Yves Rafael Bovolenta é biólogo, doutor em biodiversidade e conservação e professor do curso de Agronomia da Faculdade Pitágoras de Londrina

 

FONTE: WEBER SHANDWICK

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo